Seja bem-vindo

A proposta é descrever o que penso, sem o compromisso de fazer pensar como eu penso. É também um questionar de algumas situações que me cercam, me alegram, me incomodam, enfim, me descontroem e me constroem a cada dia. Pensar sem medo de fazer um auto-flagelo de idéias que devem ser maltratadas a ponto de serem expurgadas, se preciso for. Pensar e repensar no que creio e no que deixo de crer.

Se eu conseguir pensar sobre o que penso e de alguma forma multiplicar o que penso, seja para que outros pensem parecido, ou para que outros pensem exatamente o contrário do que penso, me fazendo repensar, ficarei satisfeito.

(no começo, eram reflexões sobre as aulas de Teologia no Centro Universitário Bennet)

24.6.07

Política da ignorância.

O mundo é um bom lugar. Quem estraga o mundo são os seres humanos - Helen Brites (Minha filha)

Todo ponto de vista é visto a partir de um ponto - Desconheço o autor da frase.


Vou fundar um partido. Já tenho até a sigla: PDCSNPV Partido das Decisões Certas Segundo o Nosso Ponto de Vista.

Como não dá pra fundar um partido sozinho, já chamei alguns amigos meus para participar desse projeto.

Tenho um amigo que é Testemunha de Jeová. Ele já está pensando em chegar no congresso e propor a Lei da não recepção e sangue humano. Afinal de contas, a Bíblia proíbe terminantemente que uma pessoa se utilizedo sangue extra-corpóreo e isso deve ser seguido mesmo em casos de transfusão de sangue. Nesse caso, seria mais sensato deixar que vida siga o seu curso natural, do que receber o sangue de outra pessoa. Talvez as pessoas não queiram aprender por elas mesmas, então está decidido: será uma lei e quem a descumprir poderá ser preso sem direito a fiança

Um outro amigo professa a religião Judaica. Ele também já tem uma plataforma. Serão criadas leis onde ninguém poderá fazer nada aos sábados. É o dia do descanso. O Shabat. Além disso, será proíbido o consumo de carne de porco. Mais que isso! O porco será banido do Brasil. Esse meu amigo judeu só terá um probleminha com aquele outro que é TJ pois ele gosta muito de carne de porco. Mas vamos dar um jeito.

Será criada uma lei também onde ninguém poderá morer de doença ou de desastre aéreo. Alias todo mundo terá que morrer de velhice e sem doença. É que eu tenho um amigo que é da Igreja da Graça, e lá essas coisas são inadmissíveis.

Outra lei que será criada, vai atingir diretamente os estudantes. É que todos deverão, a partir da criação dessa lei, falar em línguas estranhas. Um amigo meu, que é da Assembléia de Deus vai propor o ensino de línguas estranhas em todas as escola de primeiro e segundo graus.

Tenho mais alguns amigos que me ajudarão nesse grandioso projeto de fazer com que todas as pessoas pensem como nós pensamos, e, se elas discordarem e falarem algo contrário, com certeza a cadeia as espera.

Você acha isso um absurdo?

Foi a mesma coisa que eu pensei, quando soube que se eu falar contra o homosexualismo eu posso ser preso.

Se eu posso ser preso por ser contra a ídeia da vida conjugal entre pessoas do mesmo sexo, por que não posso criar uma lei que prenda todos que são contra as minhas idéias e as idéias de meus amigos?

Posso até aceitar a idéia de que um Testemunha de Jeová não aceite sangue de outra pessoa, mas não posso aceitar que um Testemunha de Jeová imponha isso para todas as pessoas através de uma lei humana.

Aceito com facilidade que um Judeu não coma carne de porco e que guarde o sábado, mas não posso aceitar que essa sua forma de crer seja uma lei punitiva para todos.

Não há problema algum para mim entender que os “igreja-da-gracianos” creiam que quem é crente não morre de doença ou de desastre, mas daí a aceitar que seja criada uma lei para que todos pensem iguais a eles, é um abismo muito grande.

E o que dizer dos Assembléianos? Aceito tranquilamente seus posicionamentos teológicos pneumocêntricos, até porque já convivi durante 15 anos com eles, mas o Inglês e o Espanhol fazem muito mais efeito nas escolas que o “lingua-estranhês”.

Não há problema para mim conviver com a postura de milhares de homens e mulheres se enganam achando que é normal amar e viver com pessoas do mesmo sexo, até porque esta postura não surgiu nos tempos modernos, mas ser obrigado a aceitar como normal, a custas de ter minha liberdade cerceada, é algo no mínimo tão absurdo quanto os projetos de lei dos meus amigos de partido.


Continuo concordando com a minha filha.

Em tempo: religiões e doutrinas citadas neste artigo não são o alvo da minha indignação. Cada um tem o direito de escolher e professar a sua fé.

5 comentários:

Jackson disse...

É bem interessnte as contradições, e não podemos realiza-las. Seria uma salada mista!

Expressão disse...

O fundamentalismo religioso caga o bom senso e torna determinista e pragmática as ações dos homens. Por isso, cada um quer fazer o que lhe der na telha. Usar até leis se for o caso.

Ana disse...

Bem
eu tb sou obrigada a concordar com a Helen...
A única liberdade k nós ainda temos é a liberdade de pensamento, e até ela querem nos tirar(se é que em grande parte já não nos foi tirada...)
gostamos do k podemos gostar...
não gostamos do k não podemos...
Numa coisa os presos ganham: não podem ser presos pelo k pensam, pk já estão presos neh...

BjOoOo

Anônimo disse...

Muito interessante, só não gostei quando falou dos assembleanos, do falar em línguas, acho que não devemos brincar com as coisas do Espírito Santo. Mesmo porque hoje é grande o número de igrejas pentecostais não assembleanas, as chamadas igrejas renovadas:batista renovada, presbiteriana renovada, etc. Muitos que antes não criam hoje já crêem nas línguas estranhas. Mas concordo com o amado no sentindo de ser um absurdo essa lei sobre o homossexualismo. Acho que ela deveria ser bem mais questionada. Em portugal passaram um tempão fazendo referendo para decidir uma lei sobre o aborto, mas no Brasil, quando a gente menos espera, já estamos enquadrados...pior, só os pobres, a classe média baixa é que vai pra cadeia.

Helen Brites's disse...

Tá na hora de postar né?